terça-feira, 19 de novembro de 2013

Você.
Quando eu jamais achei digno do meu querer.

domingo, 6 de outubro de 2013

O vento frio de sol bonito e eu na esperança colorida de te encontrar inesperadamente na esquina, como se o destino estivesse mais uma vez interferindo por nós. Aquele destino antigo, fruto de escolhas ancestrais, que veio explodir num momento como outro qualquer de um dia como outro qualquer. E foi você quem falou de destino nesse dia em que estive afogada nos seus olhos-cor-do-mar e tudo parecia tão fora do nosso alcance que as suas ondas me arrastaram com fúria de ressaca. Só esqueci de te contar que eu nunca soube nadar.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Is there something I can send you from across the sea?

No meu potinho da saudade guardo aquela que você deixou quando peguei o avião de volta pra casa. Nossa liberdade de apenas sermos intensidade enquanto o tempo permitisse ficou pra sempre na lembrança. E de vez em quando abro o potinho da saudade e me dou conta de que ela é maior do que o tamanho do oceano que ficou entre a gente. Se eu fosse maior do que o mundo empurraria os continentes para que ficassem bem pertinho e dividíssemos meus dias azuis de calor com os teus dias cinzas de frio. Mas o único presente que eu posso te dar são aquelas spanish boots of spanish leather que você cantou pra mim.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Então eu disse que iria me abrir pro Universo e libertar aquela angústia de amor apegado, que não deixa ir. “Let it go”, disse ele, e na hora de soltar as correntes ele veio até mim como uma coisa inesperada, dessas que a gente só vai entender para-quê(?) vieram quando o relógio já estiver cansado de contar as horas. O que são alguns dias para quem sufocou por uma década? Uma coisa espiritual e carnal sem nos tocarmos, no entanto. Conexão-calor no coração. Uma sexta-feira quente e quando ficou fria ele me emprestou o casaco – eu queria era um abraço. Um presente de encantamento. E eu tentando contornar a vontade de olhos azuis. Uma pinta marrom no canto do olho; reflexo do meu olhar castanho de querer. A pele morena de índio, meu índio da adolescência. Mas o Universo falou comigo, ele disse para não parar de caminhar.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

seus olhos eram tão azuis
que eu me afoguei no suco de laranja

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Não acredito mais. Não acredito nessa "tática" PSTU de conquistar as massas, revolucionar as mentes do proletariado... Esse blábláblá comuna histórico. Quem pensa demais nas táticas faz de menos. Esse estado de insatisfação que vivemos hoje foi gerado por muitas políticas públicas "pensadas" para a próxima eleição, para os bolsos, para o ego, para o capital. O inimigo é o capital, sim, mas tudo o que está aí proposto como alternativa não questiona o capital. É tudo muito sujo. Em junho vimos que os cus dos governantes ficaram bem apertadinhos e que o povo enfurecido nas ruas faz tremer, sim. Você não ficou apreensivo quando botaram fogo em frente ao Itamaraty? Eu fiquei. Um misto de preocupação com admiração. Como diz no texto do Quadrado dos Loucos, essa coisa do "bom manifestante (i.e., dócil, cara-pintada, anticorrupção, bonito)", não faz o menor sentido. Quem se manifesta está puto. A sociedade tá doente, tá podre e querem esconder isso. Os hindus admiram o deus Shiva que é o deus da destruição. Ele destrói tudo, colericamente, para abrir caminho para o novo. Pra mim, a saída tem sido essa: destruir tudo, para o novo surgir. E com isso, a determinação de mudarmos a nós mesmos. O que adianta cobrar do político se a ansiedade, tristeza, angústia e podridão estão dentro da nossa casa, dentro da gente? Se nós, nas nossas vidas diárias, não mudarmos, como cobrar que outro mude? A revolução está na escolha do nosso cardápio do café da manhã, no modo como a gente trata as nossa mãe, na sinceridade com o outro, na liberdade de poder falar o que se sente sempre, em fugir do status quo, parar de viver esse teatro ridículo, parar de interpretar o tempo inteiro. Essa vida é uma grande mentira o tempo todo. A mudança está em eu poder ser o que eu quero ser, em poder falar o que eu quero falar e me dispor a olhar para o meu umbigo e descobrir quais são as minhas falhas, os meus erros. Me olhar no espelho e ver que eu faço parte dessa podridão, que me transformaram num bicho domesticado que eu não quero ser. Está em deixar o carro em casa e usar o transporte público. Em não falar mal do outro. Em não apontar o dedo para o outro. Em amar quem eu realmente amo, que podem ser muitas pessoas ao mesmo tempo. Em fazer dos meus discursos minha prática diária. Tem muito blábláblá na nossa sociedade. As pessoas fazem teorias, falam demais, defendem e acusam demais, mas não fazem nada. Elas levantam cedo para ir trabalhar, almoçam e ficam gordas, daí entram na internet pra escrever merda, e voltam para suas casas falando mal do governo. O mundo não precisa de mais gente pensando nada. O mundo precisa de pessoas mudando efetivamente, em cada minuto de vida. E depredações são apenas uma das maneiras de se colocar pra fora um sentimento de raiva diário que insistem em deixar sufocado. E como diria a Clarice Lispector, "porque há direito ao grito. Então eu grito. Um grito puro e sem pedir esmolas". Eu estou tentando, diariamente. E é sofrido. As pessoas não querem realmente mudar porque a verdadeira mudança requer renúncia, e renunciar dói. Faz sofrer. Abrir mão do conforto. Abrir mão do que é fácil. O difícil cansa. Optar pelo incoveniente faz chorar. Mas é mais sincero. Optar pela ruptura é mais impactante, mas mais libertador.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

infarto

É um momento único assistir o coração se esvaziar de todo o amor que o fazia pulsar.

De tanto apanhar, ele parou de bater.
Por você.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

E desse meu coração fresco e mole o tempo fez uma pedra cansada e dura. No tempo seco procuro a água que fura, pois a ausência de amor traz um respiro cinza e truncado - eu que tanto quis a altivez dos fracos inabaláveis. E é nessa hora que o medo que não paralisa surge, mas o medo que pode deixar passar olhos brilhantes. Eu que nunca tive medo de tropeçar, ou de cair, ou de me esborrachar. Corajosamente medrosa do teu encanto.

terça-feira, 2 de julho de 2013

as horas

Nosso amor de madrugada.
Meu amor o dia inteiro.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Saudade do caralho
seu